Como o cotidiano pode influenciar no combate e prevenção à osteoporose

24 de maio de 2017 | sem comentário | Categoria(s): Osteoporose

Muito além de uma simples deficiência de cálcio, a osteoporose é uma condição metabólica e genética causada por diferentes fatores. O combate à doença precisa aliar hábitos saudáveis com prevenção e acompanhamento médico.

vertebrata - evitar osteoporoseDe acordo com um levantamento da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo, a osteopoerose afeta mais de 10 milhões de pessoas em todo o Brasil. A doença, que afeta principalmente as mulheres, é uma das condições do sistema ósseo mais prevalentes e é caracterizada por uma fragilidade na densidade óssea. Na prática o que ocorre é que normalmente o corpo constantemente absorve parte deste e também o repõe, mas na osteoporose a reconstrução não acompanha o ritmo de absorção.

Este problema no nosso esqueleto ocorre por conta da deficiência de Cálcio e de Vitamina D. Isso porque o cálcio ajuda na produção de células chamadas osteoblastos, responsáveis pelo processo natural de renovação óssea, enquanto a Vitamina D é essencial para melhorar a absorção do cálcio pelo nosso organismo. E por mais que seja uma doença que se mostra mais prevalente no processo de envelhecimento, é uma condição do metabolismo que normalmente apresenta sinais depois dos 45 anos, mas que pode ser vista desde cedo em alguns casos mais raros.

Por mais que homens também sofram da condição, as mulheres são as mais atingidas pela osteoporose.

Principais causas da Osteoporose

Envelhecimento, perda de hormônios e menopausa

O envelhecimento e, com ele, o enfraquecimento deste sistema acomete ambos os sexos, mas existem particularidades no corpo feminino, contudo, que fazem com que elas sejam as maiores atingidas pela doença A proporção entre diagnósticos é de que nove em cada dez casos de osteoporose ocorram entre mulheres.  Os ossos ganham densidade até os 35 anos. Depois, em um processo natural de envelhecimento, começam a perder massa gradativamente e isso causa um desequilíbrio de cálcio. Durante a maior parte da vida adulta, o hormônio feminino estrogênio age como um protetor do sistema ósseo. Depois da menopausa, que acontece por volta dos 50 anos, a produção de estrogênio cai significativamente e os ossos ficam “órfãos” desta proteção natural.

Histórico familiar de osteoporose

Esta condição metabólica é passada geneticamente e, por isso, quem tem familiares que sofrem com o problema deve redobrar o cuidado e fazer acompanhamento e exames frequentes.

Pele clara

Mulheres brancas e asiáticas têm um maior risco de sofrerem da doença, ao invés das negras e hispânicas.

Além desses fatores, outros grupos de risco ligados a doenças de base, como artrite reumatoide, diabetes, leucemia e linfoma, aumentam as chances do desenvolvimento da doença.

Mas, se por um lado, alguns grupos de risco são inevitáveis, como os citados acima, outras atitudes do nosso dia a dia que influenciam no surgimento da doença devem ser evitadas, como a vida sedentária, o consumo em excesso de fumo ou bebida e o uso de medicamentos, como anticoncepcionais, anticonvulsivantes, hormônio tireoideano, glocorticoides e heparina.

Se algumas atitudes nossas do cotidiano podem causar a osteoporose, outras medidas que dependem só de nós, podem evitar.

Do cálcio às vitaminas C e D: Para evitar a osteoporose, a alimentação precisa ir muito além do consumo de leite e derivados

Se existe um consenso médico que serve para a grande maioria de doenças e outras condições é a máxima clássica de que a prevenção é o melhor remédio. Não é diferente com a osteoporose, já que o indicado é que esta prevenção comece no início da vida adulta. Para evitar o desenvolvimento da doença e influenciar a produção de cálcio e Vitamina D é preciso buscar uma dieta equilibrada e que nos ajude a suprir qualquer deficiência que possa surgir.

O que vem logo à cabeça quando se pensa em alimentos ricos em cálcio é o leite, mas ele não é o único. Além dele e de seus derivados, a maioria dos legumes, frutas e verduras auxiliam na reposição do elemento. Brócolis, espinafre, acelga e legumes fibrosos são muito importantes para evitar essa e outras doenças. Amêndoas, frutas secas e frutos do mar também são fortes aliados. Além do cálcio, é importante consumir alimentos ricos em vitaminas C e D, como as verduras já citadas, cereais e frutas cítricas. Buscar estes alimentos também é uma boa alternativa em casos de quem tem restrições ao consumo de leite e derivados, como quem tem intolerância a lactose, quem tem alergia ou quem é vegano.

Por outro lado, um dos alimentos que mais prejudica os ossos e que deve ser evitado é o sal. O mineral dificulta a absorção de cálcio nos ossos, fazendo com que fiquem mais propensos a fraturas. Por essa razão todas pessoas, principalmente mulheres na menopausa, devem evitar o sal.

Exercício físico é um importante aliado do combate à osteoporose

Por mais que alguns tipos de atividade físicas não sejam muito indicados na terceira idade para quem já tem osteoporose, na juventude eles são uma das maiores fontes de prevenção. O sistema ósseo atinge o seu auge mais ou menos aos 25 anos e é antes dessa época que é fundamental criar o hábito do exercício. E para fortalecer o sistema ósseo, as atividades de alta intensidade são ideais. E se os exercícios forem feitos ao ar livre, melhor ainda, já que os raios ultravioleta fazem com que o organismo obtenha mais vitamina D.

Por outro lado, pessoas mais velhas que já começaram a sofrer com o enfraquecimento dos ossos, devem evitar exercícios que aumentam os riscos de fratura.

exercicios para evitar osteoporoseExercícios sem impacto que são benéficos para pessoas com osteoporose:

  • natação
  • bicicleta
  • esteira
  • hidroginástica e hidroterapia

Dormir bem contribui na renovação dos ossos

Um grupo de cientistas americanos ligados à Endocrine Society descobriu que dormir menos do que oito horas pode interferir no processo de renovação dos ossos e, dessa forma, contribuir para o surgimento da osteoporose. Para fazer a experiência, dez homens mudaram radicalmente seus hábitos de sono, passando a dormir apenas seis horas por noite durante três semanas. Os resultados apontaram que todos os homens que fizeram o experimento tiveram redução nas taxas de P1NP, um indicador importante da renovação dos ossos.

Acompanhamento médico é fundamental para evitar a osteoporose

O acompanhamento médico, contudo, é o principal meio de se prevenir. A osteoporose não tem sintomas claros e muita gente só descobre quando sofre algum tipo de fratura ou com idade mais avançada. Por isso é importante consultar regularmente médicos especialistas em osteoporose que vão conseguir fazer um diagnóstico muito mais preciso para cada caso com base em exames de densidade óssea.


Leia também


Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz