Discectomia Percutânea

14 de setembro de 2016 | sem comentário

Resultado do avanço na tecnologia, a discectomia percutânea é um procedimento minimamente invasivo indicado para problemas em áreas sensíveis.

vertebrata - discectomia percutanea 3

Em algum momento de sua vida você já sentiu dores nas costas. E, se não, possivelmente vai sentir. Isso porque 90% da população, em determinada fase da vida adulta, apresenta problemas de dores nas costas. A situação, é claro, tira a paz e a tranquilidade de qualquer um, fazendo da rotina, que deveria ser normal, um verdadeiro pesadelo: são noites sem dormir, baixa produtividade no trabalho, dificuldade de praticar esportes, e até de aproveitar momentos corriqueiros, como brincar com os filhos. Ou seja, aproveitar a vida em sua plenitude.

O desconforto pode ocorrer por conta do meio, por sobrecarga postural, mudança da rotina, troca de colchão, atividade física, etc. Muitas vezes, um procedimento simples ou apenas a descontinuidade daquilo que provoca o mal estar, já soluciona o problema. Felizmente, 90% dos casos podem ser resolvidos com repouso, medicamentos e fisioterapia.

Mas se você faz parte dos 10% restantes – como os portadores de lombalgia crônica – não se preocupe: resultado do avanço da tecnologia a serviço da medicina, a cirurgia minimamente invasiva da coluna chega como alívio e solução para seu caso.

Cirurgias minimamente invasivas da coluna representam um grande avanço

Como o nome já adianta, a cirurgia minimamente invasiva é um tipo de procedimento que oferece o mínimo de agressão ao organismo. Graças a recursos tecnológicos avançados, a cirurgia minimamente invasiva é realizada por meio de pequenas incisões, com mínima agressão tecidual, ou cortes. Tratam-se de intervenções modernas, indicadas para quase todas as partes do corpo humano, em especial as mais sensíveis, que estão mudando a face da medicina.

Discectomia Percutânea

discectomia percutaneaA discectomia percutânea é uma das técnicas cirúrgicas minimamente invasivas e é indicada para pacientes com doenças degenerativas de disco, como a hérnia de disco ou a protrusão discal sintomática e ciática. O método é indicado somente quando o tratamento conservador convencional (como fisioterapia e/ou tratamento com medicamentos) não resolve. A dor intratável clinicamente e o chamado déficit neurológico mínimo (perda de força discreta ou alterações de sensibilidade superficial) são fatores que podem levar a indicação da Discectomia Percutânea. Todo paciente, com queixas de dores na coluna e irradiadas para os membros, deve procurar um especialista em coluna vertebral, que poderá, após o exame clínico, indicar os exames complementares a serem realizados.

Para quais casos a discectomia percutânea é indicada?

• Doença degenerativa do disco
• Hérnia de disco
• Protrusão discal sintomática e ciática

Quais as vantagens da discectomia percutânea?

• Tempo de recuperação acelerada
• Pode ser realizada sob anestesia local;
• Sem perda sanguínea
• Dor pós-operatória praticamente inexistente
• Baixo risco de infecção;
• Maior mobilidade pós-operatória;
• Cicatrizes minimizadas (em caso de discectomia percutânea menor que meio centímetro).

Como o trauma de pele e músculos é reduzido, o paciente vai sentir menos dor no período pós-operatório, podendo rapidamente se levantar da cama e caminhar poucas horas depois da cirurgia. A mobilização precoce facilita o retorno do funcionamento intestinal normal, previne a trombose venosa nos membros inferiores e favorece a recuperação mais rápida.

Devido à reduzida exposição dos tecidos, manobras mais delicadas e menor tempo de permanência hospitalar, o índice de infecção é praticamente nulo. E o paciente pode retornar rapidamente às atividades normais diárias.

Como funciona a discectomia percutânea na prática?

O nome cientifico discectomia percutânea pode soar um pouco complicado, mas a técnica é rápida e seus resultados são de extremo sucesso. A discectomia automatizada é feita com anestesia local, o paciente fica acordado ou com sedação leve, deitado de costas para cima.

Todo procedimento (feito guiado pela imagem do raios-X e por meio de um aparelho de aspiração automática, conectado por canos de plástico finos a uma sonda especializada). Através de uma punção, uma cânula oca (com apenas 2.5mm de diâmetro) é colocada na parte de fora do disco herniado Por dentro da cânula se introduz a sonda, cuja ponta se prolonga e é direcionada até ficar posicionada dentro do disco herniado (no núcleo). Esta ponta é romba com uma abertura lateral capaz de aspirar e cortar os fragmentos do disco.

Quando o aparelho é ligado, são gerados vários ciclos de vácuos, que duram frações de segundos. Desta maneira, o fragmento do disco próximo à abertura é aspirado e cortado pela ponta da sonda. Um fluxo de líquido (soro fisiológico), que irriga o sistema de forma contínua, move os fragmentos do núcleo discal para um coletor. Neste fluxo, o líquido é impulsionado do aparelho para o disco e do disco retorna para o coletor, fazendo assim a remoção dos fragmentos do núcleo pulposo que formam a hérnia do disco. A aspiração pode durar de 8 a 12 minutos, o circuito é completamente fechado e estéril.

O paciente tem sua atividade restringida em casa, nas primeiras 24 horas, podendo voltar as suas atividades cotidianas a partir do segundo dia, e às atividades de trabalho, que não exijam esforço físico, em 48 a 72 horas após o procedimento.

Acompanhe em nosso blog mais sobre discectomia percutânea e outros assuntos.


Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz