Você sabia? Dores na coluna podem ter causas emocionais

6 de outubro de 2021 | sem comentário | Categoria(s): dor na coluna

De acordo com dados da Previdência Social, o estresse é o terceiro motivo que mais provoca afastamento do trabalho superior a 15 dias.
Quando o assunto é dor na coluna, é comum o problema ser associado à má postura, à idade, aos fatores genéticos, além de doenças ou fraturas. No entanto, de acordo com especialistas, a ansiedade, o estresse e até a depressão podem gerar dores crônicas na principal estrutura de sustentação do corpo. São as chamadas doenças psicossomáticas, ou seja, transtornos na mente que manifestam sintomas físicos. De acordo com uma pesquisa da International Stress Management Association no Brasil (Isma-BR), nove em cada dez brasileiros no mercado de trabalho sofrem de ansiedade – seja ela do grau mais leve ao incapacitante. E quase metade (47%) tem algum nível de depressão. Além disso, o estresse é o terceiro motivo que mais provoca afastamentos do trabalho por mais de 15 dias, de acordo com dados da Previdência Social.
As pessoas que não têm períodos de relaxamento, isto é, não se “desestressam”, mantêm os músculos do corpo, e principalmente do tronco, em contração contínua, mesmo sem movimento do corpo. “Isso gera um consumo exacerbado de oxigênio, levando o músculo a um metabolismo quase anaeróbico (com pouco oxigênio) e acumulando ácido lático. O composto é o principal causador das dores musculares.

A dor na coluna está entre as três principais queixas nos atendimentos feitos nos consultórios médicos

A dor na coluna acomete quase 80% das pessoas na vida adulta. Ele lembra que, atualmente, a dor na coluna é a principal causa de afastamentos do trabalho. Essa prevalência vem aumentando ainda mais nos dias de hoje em decorrência da obesidade, do sedentarismo, do aumento da vida média da população e de hábitos como o tabagismo.
A dor crônica, muita vezes, é subdiagnosticada e subtratada. Normalmente, quem está nessa situação vem com sentimento de desesperança, uma vez que já passou por vários médicos e tratamentos, sem sucesso. O que fazemos é identificar a causa real das dores e saber o grau de intensidade do incômodo. Depois, iniciamos o tratamento adequado.
É preciso entender que a coluna é a principal estrutura de sustentação do corpo humano. Além de a dor se perpetuar, a piora pode ser progressiva e levar a uma queda significativa na qualidade de vida do paciente.
Além da dor persistente, há alguns sinais de alerta para buscar ajuda de um especialista em coluna:
  • Sensação de fadiga ou fraqueza nos membros;
  • Formigamento ou dormência nos braços e/ou pernas;
  • Alterações nos hábitos intestinais e/ou urinários;
  • Limitação progressiva nas atividades diárias;
  • Dificuldade para andar;
  • Dor irradiada para os membros com piora progressiva.

Médico neurocirurgião especialista em tratamentos da coluna vertebral, é membro titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, Academia Brasileira de Neurocirurgia e Sociedade Brasileira de Coluna, bem como da North American Spine Society e Spinal Artroplasty Society.


Leia também