Artrose: que é, sintomas, como tratar e viver com o problema

13 de dezembro de 2019 | 1 comentário | Categoria(s): Artigos, artrose, vertebrata

A artrose é uma doença articular degenerativa que provoca um desgaste crônico nas articulações. Também conhecida como osteoartrose, normalmente ocorre nas mãos, joelhos, quadril ou coluna vertebral. O problema causa dor, inflamação e impede movimentos normais, como fechar a mão, subir escadas ou caminhar normalmente.

As articulações são os componentes que permitem a conexão entre dois ossos, como o cotovelo, o joelho, o quadril, entre outros. garantindo o movimento. A cartilagem é o tecido responsável pela cobertura das extremidades desses ossos e é essencial para o bom funcionamento da articulação, atuando como um amortecedor.

A doença causa deterioração dessa cartilagem, provocando desgaste dos ossos e dor. À medida que a cartilagem desaparece, o osso reage e cresce lateralmente. Isso forma os conhecidos osteófitos, extensões ósseas que causam deformação da articulação.

Cerca de 15 milhões de brasileiros são afetados pelo problema, que é considerado a terceira causa de afastamento de trabalho no Brasil, segundo o Ministério da Previdência Social e o Instituto Nacional de Seguro Social. 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 80% da população mundial com mais de 65 anos sofre com com a doença. Já aos 75 anos, 85% das pessoas apresentam evidências da artrose. Alguns pacientes com o problema não sentem dor, mas não significa que isso dispense os cuidados com a doença.

Sintomas

Os sintomas da osteoartrite se desenvolvem lentamente e pioram progressivamente com o passar do tempo. Os indícios do problema incluem :

Dor – As articulações afetadas podem doer durante ou após o movimento.

Rigidez – A rigidez articular pode ser mais perceptível ao acordar ou depois de ficar um tempo sem se movimentar..

Perda de flexibilidade – Você pode não conseguir mover a articulação em toda a sua amplitude de movimento.

Estalos e rangidos – Você pode sentir uma sensação estridente ou ouvir cliques ao mover a articulação, pela fricção das extremidades dos ossos.

Osteófitos – Essas extensões ósseas podem se formar ao redor da articulação afetada.

Inflamação e edema –  É comum a articulação inchar e ter o acúmulo de líquidos (edema) ao seu redor.

Fatores de risco

A osteoartrite é muito rara antes dos 40 anos e muito comum após os 60 anos. Durante muito tempo, pensou-se que a degeneração articular e, consequentemente, a osteoartrite, era um processo natural de envelhecimento. Hoje entende-se que a idade é um dos principais fatores de risco, mas não é o único.

Além da idade, outros fatores de risco para osteoartrite são a obesidade, principalmente para artrose do joelho, sendo que o sexo feminino tem até três vezes mais chances de desenvolver osteoartrite que os homens, falta de exercício, com exceção daqueles de alto impacto, predisposição genética, etc.

A osteoartrite pode ser primária, quando não há causa aparente além da idade, ou secundária, quando surge devido a trauma articular, deformidades ósseas, obesidade, diabetes, etc.

Em resumo, os fatores diretamente relacionados à deterioração progressiva da articulação são:

Idade – O desgaste natural aumenta à medida que a pessoa envelhece.

 Obesidade – O aumento do peso corporal é um fator importante no desenvolvimento da osteoartrite, principalmente na coluna lombar, quadris e joelhos. Quanto maior o peso, maior a  sobrecarga dessas estruturas e maior desgaste.

Lesão ou movimentos repetitivos – Os atletas e pessoas que realizam atividades que exijam movimentos repetitivos têm maior risco de desenvolver artrose. 

Genética – Ela desempenha um grande papel no desenvolvimento da osteoartrite, especialmente nas mãos, onde a sobrecarga mecânica não é tão evidente quanto em outras estruturas, como os joelhos. Isso se manifesta de várias maneiras. Os distúrbios hereditários afetam a forma ou a estabilidade das articulações e podem levar ao desenvolvimento de osteoartrite. 

Atividade física – Atividades de alto impacto contribuem para o surgimento do problema. Em contrapartida, fortalecer a musculatura é uma boa medida preventiva.

Outras doenças – Qualquer doença que altere as articulações, como a artrite, pode danificar a cartilagem mais cedo e causar a osteoartrite.

Tratamento

Apesar de ser uma doença crônica que piora ao longo dos anos, o tratamento da osteoartrite pode reduzir os sintomas, manter o paciente ativo e, em alguns casos, retardar a progressão dessa patologia. O tratamento inclui uma combinação de terapias com e sem medicamentos e, em alguns casos, correção cirúrgica da articulação.

Os objetivos do tratamento da osteoartrite são controlar a dor e o inchaço, melhorar a qualidade de vida e impedir a progressão da lesão.

Vivendo com artrose

As principais recomendações para prevenir o desenvolvimento da doença são seguir uma dieta saudável e equilibrada, realizar exercícios físicos moderados e evitar a obesidade.

Mas o dia a dia pode ser mais tranquilo para quem sofre com o problema. Algumas atitudes podem ajudar bastante. São elas: 

– Evite manter a mesma postura por um longo tempo. Nem fique parado na mesma posição por um longo tempo. Devemos distribuir o peso entre as duas pernas e ter uma boa base de apoio.

– Durma com um bom colchão firme.

– Evite sentar em poltronas ou sofás afundados. Use cadeiras com as costas retas, onde os quadris e os joelhos mantêm uma posição natural e os pés estão em contato com o chão.

– Não pegar pesos excessivos. No caso de compras em supermercado, tente carregar os produtos em um carrinho ou cesto com rodas.

– Use o elevador em vez das escadas

– Use sapatos com solas ou palmilhas grossas, que absorvam o impacto ao caminhar sem muito salto e sem cadarços, para que você não precise se abaixar. 

– Algumas pessoas podem achar útil o uso de uma bengala para manter o equilíbrio e evitar quedas.

 

Médico neurocirurgião especialista em tratamentos da coluna vertebral, é membro titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, Academia Brasileira de Neurocirurgia e Sociedade Brasileira de Coluna, bem como da North American Spine Society e Spinal Artroplasty Society.


Leia também


1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *