Espinha bífida, você sabe o que é?

9 de julho de 2020 | sem comentário | Categoria(s): coluna cervical, dores nas costas, vertebrata

A espinha bífida é um defeito congênito que causa uma separação em alguns componentes da coluna vertebral, como membranas protetoras, vértebras ou canal medular, daí o nome, que vem da “bifurcação”.

A coluna bifurcada

Esta condição ocorre desde a concepção, devido a uma malformação no tubo neural, que mais tarde formará a coluna vertebral. A maioria dos casos é detectada no nascimento, especialmente nos casos graves, uma vez que a bifurcação da coluna vertebral forma um saco visível nas costas do bebê.

Em casos raros, essa condição pode passar despercebida por um diagnóstico médico e apresentar sintomas na vida adulta da pessoa que sofre do problema.

Normalmente, o tubo neural se forma no início da gravidez e fecha até o 28º dia após a concepção. Em bebês com espinha bífida, uma porção do tubo neural não fecha ou se desenvolve de forma inadequada, causando defeitos na medula espinhal e nos ossos da coluna vertebral.

A espinha bífida pode variar de leve a grave, dependendo do tipo de defeito, tamanho, localização e complicações. Quando necessário, o tratamento precoce da espinha bífida envolve cirurgia, embora esse tratamento nem sempre resolva completamente o problema.

Tipos de espinha bífida

A espinha bífida pode ocorrer em diferentes tipos: espinha bífida oculta, mielomeningocele ou o meningocele.

Espinha bífida oculta

É o tipo mais suave e mais comum. A espinha bífida oculta resulta em uma pequena separação ou lacuna em um ou mais ossos da coluna vertebral (vértebras). Muitas pessoas que têm espinha bifida occulta nem sabem disso, a menos que a condição seja descoberta durante um exame de imagem feito por outros motivos.

Espinha bífida cística

A espinha bífida cística é caracterizada pelo fechamento incompleto da coluna vertebral, envolvendo a medula espinhal e as estruturas que a protegem, o que forma uma saliência nas costas do recém-nascido. Ela pode ser dividida em:

Meningocele

É a forma mais leve de espinha bífida cística. Nesses casos, a saliência nas costas do bebê envolve apenas as estruturas que protegem a medula espinhal, ficando a medula espinhal dentro das vértebras, como é normal. A saliência é revestida pela pele e o recém-nascido não sofre problemas neurológicos, pois a condução dos impulsos nervosos ocorre normalmente.

Mielomeningocele

Também conhecida como espinha bífida aberta, a mielomeningocele é o tipo mais grave. O canal medular é aberto ao longo de várias vértebras na parte inferior ou média das costas. As membranas e os nervos espinhais atravessam essa abertura no nascimento, formando a saliência nas costas do bebê que expõe tecidos e nervos.

Nesses casos, a saliência não é revestida pela pele, ficando aberta, e o bebê poderá apresentar problemas neurológicos porque a transmissão dos impulsos nervosos não acontece. A Mielomeningocele torna a criança propensa a infecções com risco de vida e também pode causar paralisia, dificuldades de locomoção, disfunção da bexiga e intestino, e problemas de aprendizagem.

Sintomas

Os sinais e sintomas da espinha bífida variam de acordo com o tipo e a gravidade, e também entre os indivíduos.

Sintomas de espinha bífida oculta

Normalmente, não há sinais ou sintomas porque os nervos espinhais não estão envolvidos. Às vezes, porém, é possível perceber sinais na pele do recém-nascido do problema acima da coluna vertebral, incluindo um tufo de cabelo anormal, uma pequena covinha ou marca de nascença.

Em alguns casos, as marcas na pele podem ser sinais de um problema subjacente da medula espinhal que pode ser descoberto com ressonância magnética ou ultrassonografia espinhal em um bebê recém-nascido.

Sintomas de Meningocele

Os sintomas do tipo de meningocele incluem pequena abertura nas costas, uma saliência que é visível no nascimento, membranas que empurram para fora através da abertura nas vértebras. Nos casos de meningocele, essas membranas podem ser removidas cirurgicamente.

Sintomas de Mielomeningocele

Nesse tipo grave de espinha bífida, o canal medular permanece aberto ao longo de várias vértebras na parte inferior ou média das costas. Ambas as membranas e a medula espinhal ou nervos se projetam no nascimento, formando uma saliência. Nesses casos, geralmente os tecidos e nervos são expostos.

Fatores de risco

Embora médicos e pesquisadores não saibam ao certo por que ocorre a espinha bífida, eles identificaram alguns fatores de risco:

Deficiência de folato – O folato, a forma natural da vitamina B-9, é importante para o desenvolvimento de um bebê saudável. A forma sintética, encontrada em suplementos e alimentos fortificados, é chamada de ácido fólico. Uma deficiência de folato aumenta o risco de espinha bífida e outros defeitos do tubo neural.

História familiar de defeitos do tubo neural – Casais que tiveram um filho com um defeito no tubo neural têm uma chance um pouco maior de ter outro bebê com o mesmo problema. Esse risco aumenta se dois filhos anteriores tiverem sido afetados pela doença. Além disso, uma mulher que nasceu com um defeito no tubo neural tem uma chance maior de dar à luz uma criança com espinha bífida. No entanto, a maioria dos bebês com espinha bífida nasce de pais sem histórico familiar conhecido da doença.

Alguns medicamentos – Por exemplo, medicamentos anti-convulsivos, como o ácido valpróico , parecem causar defeitos no tubo neural quando tomados durante a gravidez. Isso pode acontecer porque eles interferem na capacidade do corpo de usar folato e ácido fólico.

Diabetes – Mulheres com diabetes que não têm açúcar no sangue bem controlado têm um risco maior de ter um bebê com espinha bífida.

Obesidade – A obesidade pré-gestacional está associada a um risco aumentado de defeitos congênitos do tubo neural, incluindo espinha bífida.

Aumento da temperatura corporal – Algumas evidências sugerem que o aumento da temperatura corporal (hipertermia) nas primeiras semanas de gravidez pode aumentar o risco de espinha bífida. Elevar a temperatura corporal central, devido a febre ou usar sauna ou banheira de hidromassagem, foi associado a um possível risco ligeiramente aumentado de espinha bífida.

Quando procurar um médico

Normalmente, a mielomeningocele é diagnosticada antes ou logo após o nascimento. Esses bebês devem ser acompanhados por especialistas médicos ao longo de suas vidas, e as famílias devem ser educadas sobre as diferentes complicações a serem observadas.

As crianças com espinha bífida oculta normalmente não apresentam sintomas ou complicações, portanto, geralmente, apenas os cuidados pediátricos de rotina são necessários.

Médico neurocirurgião especialista em tratamentos da coluna vertebral, é membro titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, Academia Brasileira de Neurocirurgia e Sociedade Brasileira de Coluna, bem como da North American Spine Society e Spinal Artroplasty Society.


Leia também