A relação entre a espondilite anquilosante e as dores na coluna

1 de junho de 2016 | sem comentário | Categoria(s): Espondilite Anquilosante, tratamento dor nas costas

espondilite anquilosante

O diagnóstico da espondilite anquilosante, doença inflamatória crônica, pode ser demorado, por isso é importante ficar atento aos sintomas.

Dentre as diversas origens das tão comuns dores nas costas, a espondilite anquilosante é uma das menos popularmente conhecidas. A doença reumática, caracterizada pela inflamação das articulações da coluna e de ombros, quadris e membros inferiores, começa a apresentar os seus sintomas entre os 20 e 40 anos de idade.

Apesar das causas não serem esclarecidas para o seu desenvolvimento, ela tem uma prevalência três vezes maior entre os homens em relação às mulheres, e um fator genético pode estar associado a ele. Dentre os indivíduos que têm o marcador genético HLA-B27, 20% podem vir a desenvolver a doença por apresentarem uma maior predisposição.

Os reflexos da espondilite anquilosante na coluna dos pacientes

Com a inflamação das articulações, os discos vão se juntando, provocando as dores de coluna, que são diferentes daquelas originárias de processos mecânicos. No caso da espondilite, as dores pioram com o repouso e são acompanhadas de uma rigidez articular, tanto que o paciente sente a necessidade de, durante a noite, se levantar para aliviar o incômodo.

Outro sintoma associado a essa doença é a persistência da dor na coluna por mais de um mês, e que surge de forma lenta, acompanhada de uma rigidez matinal, que, durante o dia, diminui de intensidade. Os primeiros episódios de dor podem iniciar na região das nádegas, com um lado mais forte do que o outro, irradiando pela parte inferior da coluna e posterior das coxas.

Na região das costelas, a inflamação das articulações entre elas e a coluna podem causar dor irradiada para o peito, com apresentação de piora no caso de respiração profunda causada pela diminuição da expansibilidade do tórax. Além desses sintomas, pacientes com espondilite anquilosante apresentam artrite e entesites, mais comuns no calcanhar e cotovelos, e relatam quadros de cansaço, perda de apetite e peso.

O diagnóstico e tratamento da espondilite anquilosante

tratamento espondilite anquilosante

O grande desafio para o diagnóstico dessa doença, que pode demorar até mais de cinco anos para ser fechado, é identificar quando as dores de coluna passam a ser crônicas, já que uma das características dos primeiros sintomas são os surtos de branda intensidade.

Ele é feito com um exame físico adequado e o histórico das dores nas costas que pioram com o repouso e apresentam melhora com a movimentação do paciente. Além disso, exames de sangue, bem como os de imagem, ajudam no diagnóstico, e a ressonância magnética pode ser definitiva para identificar os quadros mais precoces da doença.

A espondilite anquilosante não tem cura, por isso o tratamento visa reduzir o desconforto do paciente e retardar o desenvolvimento das deformidades na coluna. Ele conta com uma abordagem multidisciplinar, envolvendo a fisioterapia, a indicação da prática de exercícios físicos para o fortalecimento da musculatura, que passa a absorver o impacto e alivia as articulações, e a administração de fármacos, como antiinflamatórios e agentes imunobiológicos.

Por isso, se você sente dores constantes, e associa os sintomas que descrevemos até aqui com os seus, é hora de procurar ajuda profissional para uma correta avaliação do seu quadro e garantia do seu bem-estar.

A espondilite anquilosante, assim como outras doenças inflamatórias, é controlável, e o diagnóstico precoce é essencial para a melhora da qualidade de vida do paciente.


Leia também


Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz