Bloqueio do nervo e injeções de faceta: Tratamentos parecidos para necessidades diferentes

24 de abril de 2020 | sem comentário | Categoria(s): coluna vertebral, dor na coluna, dor no corpo, dores nas costas, Sem categoria, tratamento para coluna

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), de cada dez pessoas, oito terão dores nas costas ao longo da vida. Você, provavelmente, é uma delas, não é mesmo? Essa é a maior causa de incapacidade em todo o mundo.

Por isso, a medicina está sempre em busca de novos tratamentos para melhorar a qualidade de vida da população. Duas técnicas que são minimamente invasivas e que produzem bons resultados no tratamento de dores na coluna vertebral são o bloqueio do nervo e as injeções de faceta.

Ambos são muito parecidos, mas as necessidades de cada paciente são diferentes. Neste artigo, você vai conferir como funcionam os procedimentos e em quais casos eles são indicados.

Bloqueio do nervo

O processo de bloqueio do nervo é feito com anestesia local, introduzindo uma agulha fina próximo ao nervo da coluna vertebral que está lesionado e injetando uma combinação de medicamento analgésico (morfina ou clonidina, por exemplo) com corticosteróides.

O procedimento é guiado por imagem (tomografia ou ultrassom) para indicar o local exato da aplicação.

Antes de realizar o procedimento, o médico faz uma espécie de teste apenas com analgésico, para localizar o ponto gatilho da dor na coluna. O objetivo do tratamento é impedir que os impulsos de dor cheguem até o cérebro e sejam propagados para outras ramificações do tronco nervoso principal.

O paciente costuma sentir o alívio das dores na coluna logo após a aplicação. A duração desse tratamento pode variar de pessoa para pessoa, podendo levar semanas ou meses. A necessidade de fazer mais sessões de bloqueio do nervo será avaliada pelo médico, assim como a dosagem adequada.

Indicações

O tratamento via bloqueio do nervo pode ser indicado para diversas causas, conforme avaliação do médico especialista em coluna, mas quatro delas são as principais.

Lombalgia: Como o próprio nome diz, a lombalgia atinge a região lombar inferior da coluna e é a segunda maior causa de consultas médicas gerais, perdendo apenas para o resfriado. Quando a dor é mais intensa e irradia para as pernas ou nádegas, é chamada de lombociatalgia.

Essa condição pode ter diversas causas e o diagnóstico pode ser feito apenas com uma conversa com um médico especialista, sem necessidade de exames de imagem. Apesar de parecer algo simples e de fácil tratamento, não subestime o problema e procure um médico especialista em coluna.

Neuralgia do trigêmeo: Também chamada de tique doloroso, é caracterizada por uma dor intensa no nervo trigêmeo, localizado no rosto. Sua causa até hoje não é muito clara para a medicina.

O nervo trigêmeo é responsável por levar a informação sensitiva até o cérebro e controlar os músculos envolvidos no processo de mastigação, que é um dos gatilhos da dor, juntamente com a fala e o ato de escovar os dentes.

Síndrome complexa de dor regional (SCDR): Essa síndrome atinge os membros superiores e inferiores, geralmente, após uma lesão, AVC, cirurgia ou ataque cardíaco. A principal característica é uma dor ardente ou persistente mais intensa do que o esperado, considerando a lesão que a causou.

A SCDR também pode causar algumas anormalidades em nosso organismo, como queda de cabelo, lesões na pele, unhas quebradiças e perda de massa óssea.

Síndrome miofascial: Consiste em um distúrbio do sistema musculoesquelético, onde lesões em determinadas partes dos músculos causam dores em outros locais, que aparentemente não têm relação. As principais causas da síndrome miofascial são o uso excessivo do músculo e repetidas lesões no mesmo local.

Injeções de faceta

Agora que já explicamos como funciona o processo de bloqueio do nervo para aliviar dores na coluna e suas principais indicações, vamos falar sobre as injeções de faceta, que também são um tratamento minimamente invasivo e com ótimo grau de satisfação.

O procedimento é feito de forma semelhante ao anterior, só que, ao invés da aplicação ser feita no nervo, neste caso, ela é realizada nas facetas articulares da coluna vertebral, que ficam localizadas na parte de trás da coluna e conectam as vértebras, dando estabilidade rotacional, mobilidade e suporte. O medicamento também muda um pouco, sendo uma combinação de medicamento anestésico ou entorpecente com um esteroide.

Indicações

Os principais candidatos a receber o tratamento por injeção de faceta são os pacientes portadores de artrose facetária e discopatia degenerativa dolorosa.

A artrose facetária consiste em uma inflamação das articulações da coluna vertebral que acomete, principalmente, a região lombar, causando dores semelhantes as dores da artrose nos quadris e no joelho. Nesse caso, a cartilagem começa a se degenerar pelo envelhecimento natural ou por traumas na coluna.

Outro fator que pode contribuir para a artrose facetária é uma doença chamada espondilolistese, que ocorre quando as vértebras da coluna começam a deslizar umas sobre as outras.

Já a discopatia degenerativa dolorosa atinge os discos intervertebrais da coluna. Como o nome diz, os discos preenchem o espaço entre uma vértebra e outra. Com o avançar da idade, os discos começam a ficar desidratados (eles chegam a ter 90% de água na juventude), o que gera uma queda na espessura do disco.

Com isso, vêm as dores e a diminuição dos movimentos do corpo. Ela também pode ter causa genética, porém, a maioria dos casos são de pessoas que trabalham carregando peso de forma inadequada ou ficam na mesma posição durante muito tempo.

Médico neurocirurgião especialista em tratamentos da coluna vertebral, é membro titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, Academia Brasileira de Neurocirurgia e Sociedade Brasileira de Coluna, bem como da North American Spine Society e Spinal Artroplasty Society.


Leia também

  • 3 cuidados com a coluna na quarentena3 cuidados com a coluna na quarentena A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) abalou o mundo em diversos aspectos e impôs mudanças drásticas nas nossas rotinas diárias. A principal delas é o isolamento social, que fez com […]
  • Anatomia da Coluna: Região SacrococcígeaAnatomia da Coluna: Região Sacrococcígea Para encerrar nossa série sobre a Anatomia da Coluna, hoje vamos falar da região final desta estrutura: a Região Sacrococcígea. Reunimos muita informação para que você possa ter […]
  • Escolha o sapato correto para evitar dores na colunaEscolha o sapato correto para evitar dores na coluna Os pés são a nossa sustentação. Eles suportam todo o peso do nosso corpo e são responsáveis pelo nosso deslocamento no dia a dia. Uma pisada inadequada durante todo o dia, por exemplo, […]
  • Espondilite Anquilosante: um problema que pode ir além da coluna vertebralEspondilite Anquilosante: um problema que pode ir além da coluna vertebral Você sabia que hoje, 7 de maio, é o Dia Mundial da Espondilite Anquilosante? A data é um momento de conscientização a respeito dessa doença reumatológica que afeta a coluna vertebral e […]
  • Posso ficar corcunda?Posso ficar corcunda? A resposta para a pergunta do título é: Sim! Mas, não se preocupe, que nós vamos falar sobre como prevenir e, se necessário, tratar essa doença, chamada de hipercifose. Ela consiste em um […]
  • 4 doenças reumáticas que podem afetar a coluna4 doenças reumáticas que podem afetar a coluna Muitas pessoas se referem ao reumatismo como sendo uma doença quando, na verdade, ele constitui um grupo de centenas de enfermidades que afetam, principalmente, as articulações do […]